Arte na Mesopotâmia

A Mesopotâmia é considerada um dos berços da civilização.

Venerador mesopotâmico de 2 750-2 600 a.C.

O primeiro grande desenvolvimento se deu em torno dos rios Tigres e Eufrates, pelos sumerianos, os primeiros mesopotâmicos.

Esses povos criaram e desenvolveram a roda, o arado, cultivo de cereais, cerâmica, tecelagem para roupas, metalurgia do bronze, escrita, irrigação, sistema de numeração, o primeiro código de leis.

Foram povos mesopotâmicos os sumérios, os acádios, os amoritas ou antigos babilônios, os assírios, os elamitas e os caldeus ou neobabilônicos.

Venerador mesopotâmico de 2 750-2 600 a.C.

Civilização Sumeriana



Os sumérios criaram sistemas de irrigação para aproveitar as grandes e irregulares enchentes e com esse desenvolvimento veio a urgente necessidade da divisão e da boa administração das tarefas. Pois sabiam que controlando as águas podiam consequentemente, controlar as plantações e criações de animais. Assim nasceram as cidades-estados.

Arte Suméria

4 500 a.C. – 1 900 a.C.

Escultura sumeriana Estátua de Gudeia, c. 2100 aC., governador de Lagaxe, no Museu do Louvre, Paris.

Historiadores sugerem que a Suméria existiu entre c. 5 500 aC. e 4 000 aC.. Os sumerianos se fixaram entre os rios Tigre e Eufrates, no norte do Golfo Pérsico.

A cerca de 3.000 a.C. desenvolveram a escrita feita de desenhos ou pictogramas e posteriormente a escrita cuneiforme, mais primitiva e antiga que a dos egípcios. Chegaram a ter cerca de doze cidades-estados autônomas:
Bad-tibira, Larsa, Nipur, Akshak, Laraque, Sipar, Eridu, Lagaxe, Quis, Adabe, Uma e Ur.

As cidades eram muradas com divindades próprias, cada uma com seu reinado e “leis” próprias, tendo um templo como estrutura principal no centro da urbe. Tinham também sua própria rede de irrigação e controlavam seu território pastoril e rural. Servos e camponeses moravam, plantavam e criavam animais fora das muralhas.


Escultura de Gula, divindade suméria de cura

A cabeça de touro orna a Lira encontrada no túmulo da rainha Puabi

Epopéia de Gilgamesh

De acordo com um texto sumério da Idade do Bronze, de escrita cuneiforme, encontrado e decifrado, Gilgamesh, personagem do poema épico, foi um Rei semi-deus, que reinou em 2800-2500 aC. e seu reinado teria durado 126 anos. Sua condição de semideus teria lhe dado força descomunal fazendo com que vencesse batalhas impossíveis e participasse de feitos extraordinários.

Texto encontrado da Epopeia de Gilgamesh
Gilgamesh matando o Touro do Céu, descrito na Epopeia de Gilgamesh. Peça de terracota Mesopotâmia antiga c. 2250 – 1900 aC.

Epopeia de Gilgamesh na Arte Egípicia

Sua grande importância se deve ao fato de ter influenciado a mitologia ocidental, sendo considerado uma das primeiras obras literária já descobertos sobre mitologia.
Na epopeia de Gilgamesh faz alusão a símbolos como touro , dilúvio etc.

Representação de Gilgamesh como Mestre dos Animais, relevo assírio para o palácio de Dur-Sharrukin.
Atualmente encontra-se no Louvre.

Civilização acadiana – Império Acadiano

2 550 a.C > os acadianos, grupos de nômades vindos do deserto da Síria > dominam as cidades-estados > O império mais relevante foi criado por Sargão cuja dinastia aconteceu entre 2 350-2 250 a.C. > conhecido como “soberano dos quatro cantos da Terra” > unificou a maioria das cidades-templos, mantendo a estrutura política sumeriana dos Reis, mas sob seu domínio > nesse período parte da cultura dos sumérios foi aceita pelos acadianos, criando o bilinguismo generalizado > Com a queda do Império Acádio, unificado por Sargão, os Mesopotâmios se uniram em duas nações acadianas: a Assíria, no norte, e, séculos depois, a Babilônia, no sul.

Arte Acadiana

Selo cilíndrico mostrando,
possivelmente um irmão de Sargão, o príncipe Ubil-Eshtar.
Mostrado com um arqueiro na frente, o escriba segurando uma tábua seguindo o príncipe e dois dignitários com armas, feito pelo escriba Kalki.

Civilização Babilônica – Babilônia

Em c. de 1900 a.C, os amoritas, povos da região sul do deserto árabe, após várias invasões venceram os sumérios e acádios e fundaram uma nova civilização cuja cidade principal era a Babilônia.

O Primeiro Império Babilônico teve início no reinado do sexto governante amorreu, em c. 1792–1750 a.C., quando Hamurabi conseguiu pacificar a região e instituir uma burocracia, com tributação e governo centralizado. Hamurabi libertou Babilônia e todo o sul da Mesopotâmia do domínio elamita e conquistou várias cidades no sul da região.

O Código de Hamurabi é considerado uma de suas maiores realizações. Compilou e aperfeiçoou códigos existentes na Suméria, Acádia e Assíria.
O princípio da justiça se dava através da lei de talião ou lei de retaliação que apesar de pregar “olho por olho, dente por dente”, existia uma hierarquia, não sendo igual o castigo dado a um escravo, a um camponês ou a um nobre, que cometessem o mesmo crime.
Hamurabi organizou em cerca de 282 artigos que se encontram descritos na pedra de Hamurabi.

Foto da parte de cima da cópia da pedra de Hamurabi que se encontra no Museu do Louvre.

Declínio da Babilônia

Em torno de 1126–1105 a.C. Nabucodonosor finalmente expulsou os elamitas da Babilônia. Sua grande importância se deu por, ao trazer de volta para a Babilônia a estátua de Marduque, uma divindade mesopotâmica, estabeleceu pela primeira vez, a soberania de uma divindade sobre as outras, narrando na “Epopeia da Criação” como ele se tornou rei dos deuses, que construíram a cidade de Babilónia no centro do mundo, para ser o contato entre o Céu e a Terra.

O exato ponto de contato era representado pelos zigurates, “Casa-ligação do Céu e da Terra”.

O fim do reinado de Nabu-shum-libur (r. 1032–1025 a.C.) marca o início de um período de caos e de mudanças dinásticas frequentes, sobre o qual escasseiam fontes sobre a Babilónia.

Arte na Babilônia

A cultura babilônica foi tão rica que influenciou os poetas gregos Homero e Hesíodo. Influenciou e inspirou a geometria do matemático grego Euclides, a astronomia, astrologia, heráldica e a Bíblia.

Enheduana

Poeta e filósofa suméria, filha do rei Sargão da Acádia

Foi eleita alta sacerdotisa do deus lunar Nana na cidade suméria de Ur. Considerada a primeira escritora do mundo com textos atribuídos à sua autoria.

Enheduana, considerada a primeira escritora do mundo com textos comprovadamente atribuídos à sua autoria. Compôs 42 hinos dirigidos aos templos por toda a Suméria e Acádia. Os textos foram reconstruídos com base em 37 placas de argila de Ur e Nippur.